basketball

GOLDEN STATE WARRIORS – A dinastia dos “Splash Brothers”!

Depois de um bom tempo sem escrever um textinho sobre a NBA, aqui estou eu sendo solicitado para mais uma missão. O amigo “Coso Maluf” solicitou a equipe do MSB um parecer sobre a formação do GSW. Aqui no MSB missão dada é missão cumprida! Vamos aos fatos do passado que culminaram no time tri campeão da liga nas últimas quatro temporadas.

Vamos voltar a temporada 2008-2009, onde o time ficou em décimo lugar na Conferência Oeste e teve a campanha de 29 vitórias e 53 derrotas. Naquele ano o Lakers se sagrou campeão da liga. No elenco do time tinham alguns velhos conhecidos como: Marco Bellinelli, Ronny Turiaf, Jamal Crawford, Monta Ellis e Anthony Morrow. Ao fim dessa temporada, o GSW tinha a pick de número 7 do draft.

DRAFT 2009

Para termos um norte, nesta classe foram escolhidos jogadores como Blake Griffin (1), James Harden (3), Rick Rubio (5), DeRozan (9), Jeff Teague (19) e Jrue Holiday (17). Com a escolha de número 7 o GSW escolheu Steph Curry. Em 3 anos de NCAA pela universidade de Davidson (07-09) Curry teve médias de 25,3 PPG, 3,7 APG e 4,5 RPG. 41,2% de FG 3 pontos e 53% de FG. De 2009 até hoje passaram 4 técnicos pelos Warriors: D. Nelson, K. Smart, M. Jackson e por último Steve Kerr.

Dois anos depois Klay chegou, já com Mark Jackson como treinador do time. Nesta classe tivemos Irving (1), Kanter (3), T. Thompson (4), Valanciunas (5), Kemba (9), Jimmy Butler (30) e Isaiah Thomas (60). Em 3 anos de NCAA pela universidade de Washington State (09-11) Klay teve média de 17,9 PPG, 4,8 RPG e 2,6 APG, chutando para 42% de FG e 39% 3 pts FG. Do time que o Curry jogou no primeiro ano só restavam Biedrins, Ellis e Udoh. No primeiro ano juntos Curry (14,7 PPG, 5,3 APG, 3,5 RPG em 28,2 MPG) e Klay tiveram um recorde de 23 Vitórias e 43 derrotas, sendo que essa foi a única temporada com recorde negativo.

Na temporada de 2012 é que as coisas ficaram mais interessantes. No draft deste ano o GSW simplesmente escolheu Harrison Barnes (7) da Universidade de North Carolina, com médias de 16,5 PPG, 5,5 RPG e 1,3 APG, Ezeli (30), vindo da universidade de Vanderbilt com médias de 7,7 PPG e 4,5 RPG e por fim Draymond Green (35), vindo da universidade de Michigan State, com médias de 10,5 PPG, 7,6 RPG e 2,9 APG com uma escolha de segunda rodada (O Nets recebeu Dan Gadzuric e Brandan Wright. O GSW recebeu a pick de segunda rodada e Troy Murphy)!!!  Neste primeiro ano apenas o Barnes teve 20+ minutos em quadra (média). Ainda sob o comando do Mark o time chegou aos playoffs, com uma campanha de 47 vitórias e 35 derrotas. O time tinha David Lee jogando muita bola e Curry sendo o líder em pontos, com 22,9 de média. Thompson tinha 16,6 PPG. O time caiu nas semifinais de conferência para o San Antonio Spurs, por 4-2

DRAFT 2012

Para o ano seguinte o time tinha novas ambições. A abóbora tornou-se uma “Cinderela” e virou realidade na liga. Para chegar mais longe o time precisava se reforçar, então, nada melhor do que um All-Star para ajudar nos dois lados da quadra: Andre Iguodala. Iggy chegou a NBA em 2004, como a nona escolha do Philadelphia 76ers (Rafael Araújo, o Baby saiu antes dele, pasmem!). Jogou por 8 temporadas nos Sixers e em 2012 teve seu melhor ano por lá, chegando as semifinais do Leste, onde perdeu para o Boston Celtics. Na temporada 2012-13, uma troca envolvendo quatro equipes mandou Iggy para o Denver Nuggets, onde por lá ficou apenas um ano. Na temporada 2013-14, outra trade envolvendo três equipes, onde o GSW distribuiu picks e jogadores para montar um plantel mais efetivo. Segue link com a negociação que levou Iggy a Oakland basketball reference – Iguodala.

A curva de evolução do time segue crescendo, rompendo a marca de 50 vitórias na temporada. Uma campanha de 51 vitórias e 31 derrotas, mas o time caiu precocemente na primeira rodada dos playoffs com derrota para os Clippers, por 4×3. Curry teve médias de 24 PPG durante a temporada regular. Klay teve 18,7 PPG e Lee 19,8 PPG de média. O time tinha talentos, isso era inegável. O trabalho do Mark Jackson era praticamente incontestável, mas o treinador que já estava a frente do time pela terceira temporada consecutiva não mantinha boas relações com a diretoria do GSW. Resultado: foi demitido. Para o seu lugar foi escolhido o comentarista de TV e ex-jogador do Chicago Steve Kerr.

A chegada do Kerr a Oakland foi muito controversa e dividiu opiniões, por causa da falta de experiência como treinador principal de uma equipe da NBA. Os talentos que viriam ser campeões e parte do núcleo do bom banco de reservas já estava por lá (algumas pessoas que não acompanham de forma direta a NBA acham que o Kerr é “o pai da criança”, mas não é bem assim). Faltava apenas implantar um sistema tático e uma mentalidade vencedora ao time.

Deixarei aqui dois textos em português que falam bem a respeito: o que mudou no warrios – The Playoffs e A transformação do Warrios – Bala na Cesta.

No elenco do primeiro título (14-15) nós tínhamos os seguintes jogadores no elenco do GSW: Curry, Klay, Green, Barnes, Bogut, Ezeli, Leandrinho, Justin Holliday, Iggy, Kuzmic, Lee, Livingston, McAdoo, Rush e Speights. Nessa temporada o time teve um recorde de 67 vitórias e 15 derrotas na temporada regular. O ataque teve média de 110 PPG, sendo o número 1 da liga em FG, FG%, 3P%, assistência e pontos. Curry terminou a temporada como MVP.

Diz o ditado que não se mexe em time que está ganhando. A base do time campeão foi mantida para a temporada seguinte. Chegaram para compor o elenco o SG I. Clarck, o PF K. Looney e o C J.Thompson, para as saídas do Kuzmic e principalmente do David Lee, que anos antes era uma peça fundamental na equipe. Uma nova temporada, o time a ser batido, mas ninguém imaginava que o GSW ainda pudesse surpreender os seus fãs e o mundo que acompanha a NBA. Eles simplesmente bateram o recorde de vitórias em uma única temporada que pertencia aos Bulls, de 72 vitórias e 10 derrotas. O time conseguiu a impressionante marca de 73 vitórias e 9 derrotas. O time mais uma vez teve o melhor ataque da liga com 114,9 PPG e também foi o número 1 em FG, FG%, 3P, 3P%, 2P%, DRP e assistências. De quebra o Curry foi eleito MVP unânime pela primeira vez na história da NBA CURRY MVP UNÂNIME – ESPN. Tudo conspirava a favor, mas a suspensão de Green no jogo 5 das finais da mudou o rumo dos fatos. A série de 3–1 virou 3–4. Lebron que no ano anterior tinha jogado sem Irving e Love machucados dessa vez tinha os seus escudeiros ao seu lado. Esse foi um dos melhores jogos 7 de todos os esportes americanos que eu já tive o prazer de assistir. Segue o link abaixo.

Dizem que uma derrota dolorosa pode causar devastação em um time ou elenco. Para a temporada 16–17 o GSW fez uma mudança que causou um impacto positivo no time, mas que causou discordância em muitos fãs da liga, com a adição de Kevin Durant a um time que já era vencedor e muito forte. Um cara que tem a capacidade de impactar dos dois lados da quadra. Também chegaram o SG McCaw, Matt Barnes (SF), Zaza Pachulia (C) e David West (C), para as saídas de Leandrinho, Harrison Barnes, Ezeli, Rush, Bogut, Speigths e Varejão (saiu no meio da temporada). Um time inteiro de suplentes dispensados. O recorde do time na temporada regular foi de 67 vitórias e 15 derrotas. Quando KD chegou ao time havia uma pergunta no ar: como seria o seu encaixe em um time que tem dois “shooters” natos? Quem sabe jogar joga em qualquer lugar. É claro que a responsabilidade de definir diminuiu e a sua média de pontuação na temporada regular também, mas na hora da “porca torcer o rabo” KD fez valer cada centavo investido nele. Nas quatro séries de playoffs que o GSW disputou o time perdeu apenas um jogo em dezessete disputados!!! KD foi o MVP das duas últimas finais da NBA.

WARRIORS X CAVS

Eis que chegamos a derradeira temporada 17–18. Mais uma vez o time apenas trocou peças no banco de reservas, só que dessa vez, com bons talentos, Como Bell (C) e Quinn Cook (PG). Chegaram também Casspi (SF), Boucher (PF) e Nick Young, para as saídas de Barnes, McAdoo, Clarck e Weber. A temporada regular foi cheia de altos e baixos, se pegarmos as campanhas de anos anteriores como comparativo. Curry sofreu duas contusões, sendo que a segunda o deixou de fora da primeira rodada dos playoffs. Klay também perdeu jogos por causa de contusão e pela primeira vez em 4 anos o time não teve a melhor campanha da Conferência Oeste, a qual pertenceu a Houston. No caso de uma possível final com os Rockets (como aconteceu) teria que “roubar” um mando de quadra. A final de conferência foi a final da NBA para o GSW, onde conseguiu reverter um placar de 2–3 para 4–3. Como previsto por quem acompanha a liga assiduamente, o campeão saiu do vencedor desta série.

Chegamos a conclusão de que um time campeão não é feito da noite para o dia. O núcleo do time está junto a 5 temporadas: Curry, Klay, Green e Iggy (Livingston chegou em 2015). São três titulares absolutos e os dois principais jogadores que saem do banco de reservas. Essa turma ainda terá essa temporada de 2018 para jogar juntos.

Warrios champs

Uma peça a qual eu não falei muito anteriormente, mas que merece uma atenção especial é o Draymond Green. Na minha opinião ele é a engrenagem principal desse time dos Warriors. Ele é fundamental na defesa, pois é capaz de marcar um jogador da posição 2 ao center adversário. Normalmente ele é o marcador do principal jogador adversário. Um jogador com uma visão de jogo absurda, capaz de antecipar e prever os movimentos. Um organizador e líder nato. No ataque as bolas normalmente sempre passam por ele. Ele tem médias de 9,3 PPG, 6,9 RPG e 4,6 APG em sua carreira. Na temporada passada foram 11 PPG, 7,6 RPG e 7,3 APG.

Sei que alguns “coleguinhas” irão me questionar por escrever e elogiar o GSW, mas não dá para deixar de falar sobre o que os caras vêm fazendo nos últimos quatro anos. São 3 campeonatos em 4 possíveis. Recordes e mais recordes. As vezes eu também me pego pensando: o jogo dos caras as vezes é chato. O Curry chega no perímetro, com 4 adversário ao seu redor, sem rebote ofensivo e chuta sem medo de ser feliz. Muitas vezes não busca uma infiltração, trabalhar uma jogada, trocar passes, tentar um corta-luz, mas essa é a característica dos seus principais jogadores. São exímios chutadores e possuem um percentual altíssimo de acerto do perímetro.

O time nesse período sempre teve uma posição carente, que é a de center. Passaram mais jogadores por lá do que gente no Maracanã. Mas para a tristeza dos fãs da liga, no inicio de Julho, (02/07) o time acertou com DeMarcus “Boogie” Cousins (confira nossa matéria especial que fala da #FreeAgencyNBA: https://majorsports.blog/2018/07/18/resumao-free-agency-nba-2018/ ). Na teoria o time que já é forte pode se tornar imbatível em uma série de 7 jogos, mas eu irei aguardar um pouco para começar a tirar conclusões. Não vou entrar no mérito da decisão do Cousins, mas a diretoria do GSW mandou muito bem ao contratar o melhor jogador disponível para a posição e por um valor muito abaixo do que ele vale.

Esse pode ser o último ano de Curry e Klay juntos no GSW, pois Klay tem contrato vencendo ao final da temporada (contratos e cap aqui). Será que é o fim do time dos “Splash Brothers”???

Esse texto também é uma homenagem ao nosso colaborador e torcedor dos Warriors Luis Guilherme, o “Chef”.

 

Paulo Correia é um dos redatores do Blog Major Sports que mais conhece do basquete da NBA, você pode seguí-lo no twitter @teclasnaveia.

 

1 resposta »

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s